19 de fev de 2014

Satsang com Sri Prem Baba, 27.01.11 - Índia 2010/2011

Satsang, 27.01.11 - Índia 2010/2011

Temas: Inveja / Inferioridade / ABC da Espiritualidade.
Pergunta: Nunca me considerei uma pessoa invejosa, somente inferior. Mas, ultimamente tenho sentido muita inveja. Tenho feito a autoinvestigação, mas não estou encontrando nada. Você poderia falar sobre a inveja e sobre a inferioridade e comparação?
Prem Baba: O primeiro ponto a ser compreendido é que você está dentro de um circulo mágico e toda essa região, cujo centro é o ashram, está dentro desse circulo. Tudo aqui é potencializado, tanto a luz quanto a sombra. Como já vimos anteriormente, a partir de um determinado estagio da evolução espiritual você passa a ver o ego e todas as matrizes do eu inferior como uma ilusão. Mas, até que esteja podendo vibrar nesse estagio, as matrizes do eu inferior são bem concretas porque você se identifica com elas. Você tenta fazer uso da vontade consciente para mudar ou fazer diferente, mas não consegue. É aí que você se vale dos instrumentos do ABC da Espiritualidade para identificar e transformar tais aspectos. Esses aspectos sombrios da personalidade que são focados são justamente os que estão precisando ser transformados. Você não tinha consciência de muitos deles, mas o fato de você estar dentro desse circulo mágico faz com que você receba esse presente que é a chance de identificar essa parte da personalidade que estava oculta, gerando distúrbios na sua vida sem que você percebesse. Então, eu tenho dito que o processo de evolução da consciência é uma espiral e você vai subindo na medida em que vai reconhecendo as imperfeições, sem querer estar acima delas, mas vagarosamente trabalhando para transformá-las. Até que você atinja um estágio no qual você percebe todas essas manifestações como ilusórias.
Então, vamos discursar um pouco mais sobre esses temas relativos ao ABC da Espiritualidade.
A inveja está diretamente relacionada com a inferioridade. A ferida básica essa. O choque que você experienciou provavelmente foi de humilhação, mas pode ter se manifestado também como exclusão, abandono e rejeição, mas você internalizou como inferioridade que pode se manifestar como inadequação e insuficiência. Se essa marca foi instalada no seu corpo, você naturalmente segrega veneno para se proteger. Esse tipo específico de veneno é o que chamamos de inveja.
A inveja é uma manifestação que faz com que a pessoa tente destruir o objeto que faz com que ela se sinta inferior. Ela tenta destruir todas as pessoas e situações que fazem com que ela acesse a dor original de inferioridade, insuficiência ou inadequação. É diferente da avareza ou cobiça na qual a pessoa quer pegar aquilo para ela. O invejoso quer pegar para ele, mas também quer que a pessoa desça e fique no mesmo nível dela porque ela se sente impotente para chegar ao mesmo nível que o outro; ela se sente insuficiente. Ela não vê o outro como um exemplo ou uma referencia para ela se inspirar para poder subir; ela tenta trazer o outro para baixo para chegar no mesmo nível. Esse veneno é segregado de diversas maneiras. Se a entidade é muito imatura, de forma bastante concreta, difamando o outro e criando situações para que o outro possa enfraquecer o seu brilho, como pode se manifestar sutilmente, somente na forma de pensamentos e de ações veladas.
Por exemplo, a sua inveja está na mira de alguém do seu grupo de amigos. Você está com eles e começa a falar bem sobre essa pessoa que você sente inveja e no meio do “confete”, no meio dessa conversa tão favorável sobre essa pessoa, você solta um venenozinho: “Ela tem esse defeitozinho, mas não é nada. Ela tem muitas qualidades, é uma pessoa boa”. Então, o veneno começa a se espalhar. Você lançou uma negatividade em relação aquela pessoa ou, no mínimo uma dúvida sobre ela. Numa outra reunião você continua com o mesmo jogo e aos poucos você vai soltando mais veneno. O que você quer é que a pessoa caia daquele lugar que você acredita que ela esta. Você acredita que ela está num lugar superior a você. Então, você precisa que ela se nivele ou que esteja abaixo de você de preferência.
Assim age a inveja. Ela é um poder razoável nesse mundo. Se você olha para a matrix você percebe que a inveja realmente é um grande poder porque muitas pessoas se esforçam para ser invejadas. Esse é outro lado da moeda. Se tem uma ferida grande de impotência e inferioridade, você vai fazer de tudo para se sentir superior e ser invejado. Isso é a porta de acesso para a inveja entrar. A inveja somente entra se ela for convidada. Ela é como uma bomba de neutros que vai destruindo tudo que é vivo, só fica o concreto, o resto ela destrói. A inveja é assim, vai destruindo tudo que é vivo. Mas, ela somente entra se você abrir a porta e abrir a porta significa você querer ser invejado. Isso é parte desse jogo destrutivo, onde a competição e a disputa estão sempre em primeiro plano. Embora seja bastante presente na vida de toda a entidade humana em evolução, a inveja é uma das matrizes do eu inferior que você mais se envergonha de ter. A inveja e o orgulho estão sempre de mãos dadas porque a inveja está intimamente ligada com essa filha do orgulho que é a vergonha. Você tem vergonha de sentir inveja porque isso revela a sua inferioridade; a sua ferida de humilhação, ou seja, aquilo que você não quer mostrar nem para si mesmo. Portanto, ela é uma segunda cerca elétrica que está na frente da vergonha. Por trás da inveja está a vergonha e por trás da vergonha está a sua ferida e os sentimentos negados e suprimidos. E por trás desses sentimentos está o seu Ser e o seu sentimento sincero de querer ver o outro crescer, a sua vontade de ver o outro brilhar.
Se você não purificou por completo esses aspectos que eu acabei de descrever, o seu desejo de ver o outro feliz sempre vai estar misturado com outros aspectos. A verdade e a mentira estarão sempre juntas. É como você fazer um mantra para o outro ficar feliz, mas subliminarmente você faz um mantra para ele cair. Isso acontece muitas vezes porque está relegado ao plano da sombra e você não tem consciência. Quando você está num campo mágico como esse, isso vem a tona.
(aqui) Você me pergunta por que sonha tanto nesse lugar. É pelo mesmo motivo. Você está o tempo todo dialogando com esses outros quadrantes da consciência que não tinha acesso. É o seu Ser conversando com você através dos símbolos. Ele trás imagens daquilo que precisa elaborado e transformado e de onde você tem que colocar a sua atenção.
Pergunta: Ontem você falou que a agressividade e a falsa autosuficiencia são um poder destorcido. Você pode falar mais sobre isso?
Prem Baba: Outro desdobramento desta sequencia que eu acabei de descrever e que tem origem nessa ferida de humilhação é a utilização da mascara que você é suficiente. Se você foi criado num ambiente no qual você foi ensinado (não somente numa família, mas em qualquer ambiente) que a solução para você se realizar é ser uma pessoa poderosa e, portanto, uma pessoa autoconfiante, uma pessoa que assume o seu poder e vence na vida e ao mesmo tempo carrega essa ferida, você não vai poder segurar esse poder verdadeiramente. Mas, você aprendeu que se tiver esse poder você vai ser poderoso, então você finge que tem. Você não finge conscientemente. Na maioria dos casos você acredita na sua potencia. Mas, a gente percebe que não é uma potencia verdadeira porque se manifesta com agressividade. É um poder que vem junto com a vontade de humilhar o outro. É uma autosuficiencia que não considera o outro. Você se torna um trator para passar por cima de quem você quer. Você passa a desconsiderar os sentimentos dos outros e inclusive os seus. Você acha que esse negócio de sentimento é coisa para gente fraca que está sempre chorando pelos cantos. Você é “forte” e “firme” e através disso você vai conquistando um falso poder. Tudo isso para ser invejado e suprir o seu sentimento de insuficiência e impotência.
Então, meus amados amigos, não importa o quanto temos acesso ao nirvana, ao estado de graça, porque enquanto esses aspectos não forem completamente integrados você não pode sustentar o estado de graça. É verdadeiro também que as ultimas camadas dessas matrizes são integradas pela graça divina e quando você experiencia o samadhi. Chega um estagio no qual você não precisa mais investigar, você precisa apenas focar na presença. Onde estou? O que estou fazendo? Quem habita esse corpo? Ocupe cada célula do seu corpo e não dê atenção para as vozes do eu inferior. Se firme no sadhana escolhido, na presença, na meditação ou na devoção. Foque na forma divina que você escolheu para adorar. Você começa a experienciar o samadhi e a graça divina e dissolve as últimas camadas. Mas, as primeiras camadas precisam de um trabalho do seu eu consciente utilizando a vontade disponível para poder localizar, identificar, sistematizar todas essas partes negadas para poder fazer as relações de causa e efeito e ir aos poucos limpando o seu coração; retirando os entulhos do caminho do coração.
É como a agricultura, no começo você tem que preparar a terra, retirar todo o mato, adubar, plantar sementes, tem que cuidar das ervas daninhas... Até que Deus cuida do resto. Então, você deixa que a natureza divina completa o trabalho de fazer a semente crescer. Tem uma parte nesse processo que cabe a você e outra parte que cabe ao grande mistério. A parte que cabe a você eu costumo chamar de ABC da Espiritualidade que é o nome que eu dei para o método para lidar com esses assuntos. Esse processo pode ser bem difícil porque ninguém quer ouvir verdades desagradáveis ao seu respeito. Todo mundo quer ouvir que é cheio de qualidades. Esse é o meu trabalho, focalizar na sua luz, mas eu tenho alguns assistentes que preparei para focar na sua sombra. (risos) Alguém tem que fazer esse trabalho. Alguém tem que falar que você é feio até que você não se incomode mais com a sua feiúra. Quando alguém falar que você é feio e você não se perturbar com isso, você está pronto. Mas se alguém fala que você é feio e você se agita um pouco, ainda há trabalho para você. Depois tem os ABCs da Espiritualidade 2 e 3. Mas, antes do ABC 3 tem o ABC da Sexualidade. E depois do ABC 3 tem o ABC da Sexualidade 2. Depois vem os intensivos de espiritualidade onde podemos começar a focar na consciência espiritual. Porque se você ainda não se livrou da maldade contra você e contra o outro, pelo menos você está consciente dela e já assumiu responsabilidade e se livrou do jogo de acusações. Por isso você pode focar na ativação da consciência superior.
Eu escolhi fazer assim porque senti que é mais amoroso. Sinto que é mais compassivo porque se eu te dou o poder antes de você integrar o seu eu inferior, você pode fazer bastante estrago com você e com o outro. Isso não é compassivo porque as conseqüências podem ser drásticas. Você vai criando muito mais karmas e fica muito mais difícil de sair. É por isso que eu insisto na purificação no inicio. Depois nós vamos ativando a consciência de si mesmo. Você não precisa ter purificado completamente todo o ódio e o medo, mas pelo menos você tem que ter se livrado do jogo de acusação mais grosseiro e tem que ter assumido um tanto de responsabilidade, caso contrário você somente dá força para o seu ego espiritual. E quanto mais você cresce, maior o seu tombo. Eu vejo muitos que conseguem subir bastante. Conheço algumas pessoas que chegaram até o sexto chakra, mas depois elas caíram como uma pedra no chão. Para levantar novamente dá muito trabalho, é muito mais difícil porque ela já tem muito poder e desenvolveu uma vaidade que não tem quem possa encarar. Ela é muito astuta e esperta. É por isso que eu adotei essa metodologia que foi uma inspiração que veio na época em que eu era um sacerdote gnóstico na minha vida passada e foi reforçado com os ensinamentos do pathwork canalizados pela Eva Pierrakos. Esses ensinamentos iluminaram a sabedoria que eu trazia da escola gnóstica. Quando eu acordei e assumi a manifestação divina de Sri Prem Baba, pude sistematizar isso tudo. Juntei vários elementos, de varias fontes, com o objetivo de te levar para o reino de Sachcha.
Eu quero dizer para aqueles que estão indo para o ABC: tenham firmeza e coragem de se ver no espelho. Entenda que, se alguém disse alguma coisa para você que vibrou é porque tem alguma coisa para você. Esse processo é somente uma representação da vida. Eu também vou estar lá, não em corpo físico, mas vocês vão me sentir bem perto. Eu é que faço o trabalho através dos meus assistentes.
Pergunta: Porque você não faz um ABC para brasileiros aqui?
Prem Baba: Eu faço o ABC para os brasileiros (em português) no Brasil. Preciso facilitar tudo para todos. Então, como é muito custoso para quem mora fora do Brasil ir até lá, eu ofereço esse intensivo em inglês aqui.
Mas, também tem o momento certo de passar por esse processo. Embora esses instrumentos sejam divinos, você tem que estar se sentindo realmente pronto para utilizá-los. É preciso estar na hora certa, se não poderá te perturbar. Por isso, fazemos uma entrevista para ver se a pessoa está no momento certo.
Trabalho com muitos instrumentos e esse é somente um deles. Eu tive essa incumbência de chegar aqui na Terra com vários instrumentos: o xamanismo da floresta, instrumentos psicoespirituais, ferramentas espirituais propriamente ditas... É como se Deus falasse assim: você está indo para lá fazer isso, então eu vou lhe dar essas armas. Eu vim bem munido. Reconheço que tenho uma variedade grande de instrumentos e vou utilizando-os de acordo com o momento de cada um. Mas, vou respeitando o seu tempo. Você vai chegando e eu vou sentindo a sua necessidade e vou oferecendo até que não preciso utilizar instrumento nenhum; até que você possa se contentar de ficar pertinho de mim, vazio, sem perguntar nada, apenas recebendo o que estou lhe dando. Assim você vai expandindo a sua consciência e nós nos tornamos uma coisa só. Esses estágios se interpõem. Não é preciso terminar um para começar o outro. Tudo acontece organicamente, naturalmente.
O ABC é forte; é um instrumento que balança. A idéia do ABC é retirar a sua máscara. Se há máscara ela tem que cair para você poder ver o que tem atrás dela e poder fazer esse caminho que eu acabei de descrever. Independentemente do quanto de consciência que você já tenha ativado. Da sua luz e das suas qualidades eu já sei. Mas, durante o ABC não vamos focar essas qualidades, vamos focar naquilo que está te impedindo de sustentar essas qualidades.
Eu estou dizendo isso para você estar um pouco mais preparado. Você não vai ser alisado, quem faz isso sou eu. (risos)
Que cada vez mais você possa se abrir para a divina cura e para a transformação.
Até o nosso próximo encontro.
NAMASTE