22 de jan de 2014

Satsang com Sri Prem Baba, 23.01.11 - Índia 2010/2011

Satsang, 23.01.11 - Índia 2010/2011

Temas: Desenvolvendo o guerreiro interior.
Assim seguimos, cantando os nomes de Deus. Com essa prática a mente se aquieta e a consciência se manifesta, iluminando a compreensão e trazendo insights. Ela nos ajuda a compreender o jogo.
Estamos estudando dentro de nós mesmos, a quarta chave que possibilita a sustentação do êxtase, que é a renúncia das expectativas em relação a um desfecho determinado.
Num exemplo que eu dei ontem, eu disse que confiava que a aparelhagem de som estaria funcionando amanhã e que a amplificação não iria cair, mas se não acontecer, ok, eu aceito. Isso tem algo a nos ensinar. A vida é um mistério. É um jogo divino, cujo objetivo é nos ensinar a amar conscientemente. Ela nos ensina a equanimidade, porque é somente através dela que podemos experienciar a paz.
Dentro desse assunto, você me pergunta: “Reverenciado Mestre, muito é falado sobre aceitação, mas como sou uma guerreira, aceitar para mim é não lutar. Você poderia nos ajudar a integrar as palavras aceitação e se dedicar à luta, para ser uma pessoa melhor a cada dia?”
Isso é um belo paradoxo. Um amigo meu, trouxe-me a lembrança de um mestre de artes marciais que criou o Aikido. Ele disse certa vez: “Sabe por que eu nunca perco uma luta? Porque eu nunca luto”. Isso eu já experienciei. Esse corpo já se dedicou muito para a arte marcial. A chave da arte marcial é você não se opor ao ataque. Você usa a força do inimigo contra ele mesmo. O verdadeiro praticante de arte marcial não luta. Ele só dança com o ritmo da vida; ele é um bailarino. Vem um ataque, ele vai pra cá e pra lá... Essa é a essência da arte marcial.
Eu tenho utilizado muito a referência do filme Matrix, para falar sobre esse fenômeno, que é transitar entre os mundos internos e os mundos externos. Para falar a respeito de todo esse processo da revolução da consciência. Um dos pontos mais importantes do filme está na última parte, depois que Neo, o ator principal, passa três filmes lutando contra o mal, no último filme, quando o mal se multiplicou infinitamente, ele simplesmente descobre que a única possibilidade de vencer esse mal seria parar de lutar. Na hora que ele parou de lutar, ele pôde olhar para o mal que estava dentro dele e o transformou.
Esse é um fenômeno que está além da mente. Esse é um koan para a mente (Para o zen budismo, o koan é um problema que o discípulo deverá resolver, mas cuja solução não se atinge pelo pensamento intelectual). É uma pergunta sem resposta. Se o movimento contínuo mantém o universo, o que mantém o movimento contínuo? Qual é o som de uma das mãos batendo palma? Essa é uma pergunta que acalma a mente. E é somente quando a mente se aquieta que você encontra a resposta na ação. E essa ação pode ser simplesmente uma não ação. Eu não estou fazendo nada e estou fazendo tudo.
A mente não pode compreender Deus. Mas, eu vou tentar falar de uma outra maneira:
Existe uma diferença entre reação e ação. A reação nasce do medo. É um desespero de causa. Essa reação vai te enredando cada vez mais na teia do karma. A ação nasce do coração, é uma resposta natural àquilo que a vida está trazendo. Se o dia está ensolarado, você pode ter a ação de se banhar na luz do sol e reverenciá-lo e desfrutar da beleza do dia iluminado. Se o dia está nublado ou chuvoso, você pode ter a ação de reverenciar a chuva, as nuvens e celebrar a beleza das águas caindo e ver esse banho da terra. Essa atitude pode te levar a um estado de equanimidade, onde nem o sol nem a chuva vai te trazer nenhum tipo de reflexo, é tudo igual. Não faz diferença, mas isso não é indiferença. Você é parte do todo. Você sente essas mudanças em você mesmo, porque é parte do todo, mas você está somente observando, a testemunha silenciosa.
Mas se você escolhe reagir, ou seja, se o dia está ensolarado e você se incomoda, porque preferia que estivesse frio ou o contrário, você criou um problema. Você inventou um problema para si mesmo, porque esse problema não existe. Se você precisa se mover, precisa sair e está muito ensolarado ou chovendo demais, você pode usar um guarda-sol ou um guarda-chuva. Tudo bem. Você pode usar. O que há de errado com isso? Em um outro exemplo, pensemos em uma situação, onde você contratou um taxi e ele não veio, mas você está determinado a chegar no lugar. Então, você caminha até outro lugar e pega um taxi.
Eu não estou dizendo para você abandonar a sua determinação, pelo contrário, você deve fortalecê-la sempre. O que eu estou dizendo para você renunciar é a reclamação, quando as coisas não acontecem do jeito que você programou. Eu estou dizendo que por trás desse fenômeno das coisas não terem acontecido dentro da sua expectativa, tem ali um presente para você. Tem uma parte que lhe cabe fazer, mas é um fazer que nasce do seu coração, da sua consciência. Confie em Deus, mas tranque a porta do seu quarto. Mas, se você esqueceu a porta aberta, um ladrão entrou e te roubou, não desperdice o seu tempo reclamando. Apenas se abra para o ensinamento que a vida tem para você. Isso é algo que está tão entranhado nos nossos corpos.
Aqui nessa área, tem uma macaca que está carregando um filhote morto, já por umas duas semanas. O macaquinho já morreu há muito tempo e ela não o larga por nada. O corpo está se decompondo e ela não o larga. Ela continua querendo alimentá-lo. Ela o trata como se estivesse vivo. Ela não aceitou a sua morte. Ela surtou. Ela rompeu. A morte vem do reino animal, nós carregamos essa memória da não aceitação, de muito longe. É algo realmente comovente. Ela está sofrendo absurdamente. É somente uma dor tão profunda, que pode gerar uma cisão como essa. Por trás de todo o surto psicótico, tem uma profunda dor e a dor nasce da não aceitação. Tem coisas que é difícil de aceitar mesmo.
Eu dei exemplos bem corriqueiros da sua vida, como você perder o taxi ou o avião. Você pode escolher, ou você briga com a vida, ou você relaxa e aceita que tem um presente por trás disso. Isso é muito superficial, mas essas coisas simples e superficiais estão mostrando o próximo passo da nossa jornada evolutiva. Nós temos que estar atentos às coincidências misteriosas. Temos que estar atentos às sincronicidades, porque elas estão nos revelando o próximo passo. Se você se prende a um desfecho determinado, você perde a comunicação com o universo. Você perde a percepção do mistério. É importante você estar sempre aberto para receber os recados. Isso na esfera dos acontecimentos diários.
Mas, há outras marcas profundas que até hoje você não aceitou. Às vezes eu dou o exemplo de um aluno meu que trouxe a lembrança do pai tentando afogá-lo no tanque. Então, quando ele viu aquela dor, ele perguntou: “Prem Baba, como eu perdôo esse homem? Como eu aceito isso?” Como eu aceito que a rosa tem espinhos e às vezes eu espeto o dedo e inflama. Em alguns casos você até perde o dedo. Mas, por causa disso você vai se fechar? Rebelar-se e achar que Deus está contra você? Vai começar a reagir com a vida? Você vai usar o poder do guerreiro para reagir? Assim você vai desperdiçar a sua vida numa luta inútil.
O fato é que você não sabe por que as coisas acontecem como acontecem. Eu tenho dito que a memória humana é muito curta. Você esquece, mas o tempo não esquece. Se existe uma lei que tem que ser cumprida nesse planeta, é a lei de causa e efeito. Se você mandou um convite, em algum momento o convidado chega. Eu sempre dou o exemplo que, às vezes você manda um convite para uma festa e se esquece... Então, os convidados chegam e te pegam de pijamas em casa. Você não preparou nada para receber os convidados. Porque a mente esquece, mas o tempo não esquece. Se o convidado bateu na sua porta, é porque é seu. Você tem que respirar e se abrir para compreender porque isso chegou para você. Para isso você precisa determinação, você precisa usar a força do guerreiro que é, para não desistir.
Você precisa renovar seus votos a cada dia, porque estamos dentro de uma grande batalha, a batalha do amor. Você só sai vencedor se o amor for puro. Não há nada de errado com o seu guerreiro interno. Eu honro o seu guerreiro interno. Eu estou trabalhando para desenvolvê-lo. Eu estou dando a chance de você resgatar o seu poder, a sua força, de você aprender a fazer um bom combate, ou seja, aprender a arte de lutar sem lutar.
Voltamos ao paradoxo. Voltamos para o koan.
É bom que, de vez em quando, surja um koan.
Pergunta: na minha prática profissional, eu lido com mulheres que perderam seus bebês. Como passar isso que você está ensinando?
Prem Baba: No momento em que a pessoa está na dor, ela precisa ser acolhida. Você precisa validar a dor dela. Porque qualquer tentativa de explicar o mistério, aumenta a dor. É um momento em que a pessoa não tem condições de usar a mente, porque para compreender o mistério, ela precisa de cognição. Nesse momento é somente acolhimento. Ela precisa de um tempo do mundo. O luto tem um tempo. Toda a transição tem um tempo. Tem o tempo da morte, depois tem a zona neutra e depois o reinicio. Na zona neutra ela começa a ficar indiferente para a vida. Então, aos poucos ela se abre para aceitar e compreender o mistério.
Eu me lembrei da nossa amiga que perdeu os filhos num acidente. Essa é a maior prova para um ser humano nessa Terra. Perder um bebê é um grande desafio, mas quando você já esteve com ele depois de um tempo, essa prova ainda é maior. Leva algum tempo, para você elaborar e poder se abrir para compreender o mistério. Na verdade, essa foi uma resposta a uma atitude sua. Você mandou o convite e o convidado chegou. Não existe nenhum culpado. Está tudo absolutamente certo. Assim é o jogo.
Nós não temos as memórias dos tempos passados. Às vezes não temos memória nem mesmo da nossa infância. Nós não conseguimos fazer a relação do nosso dia a dia com a infância, quanto mais nos lembrarmos das vidas passadas. É difícil aceitar. Tem uma razão para isso. Porque você foi educado dessa maneira. Porque você foi programado dessa maneira. As respostas vão chegando, quando você acalma a sua mente e vai aprendendo a arte de lutar sem lutar. As respostas vão chegando e você vai compreendendo o mistério da vida e da morte.
Então, você aprende a reverenciar o sagrado que está em todos os acontecimentos da vida, tanto nos que estão ao seu favor, como nos que parecem não estar ao seu favor. Às vezes é chato mesmo; às vezes incomoda; às vezes dói... É difícil de aceitar. Mas, eu repito: se bateu na sua porta, é seu. Você pode passar a vida tentando botar na porta do vizinho, mas o nome disso é adiamento do seu processo evolutivo. Às vezes a única saída é adiar mesmo. Tudo certo. Às vezes você não dá conta de olhar mesmo. O fato de acusar está dentro do jogo também. Quem está sendo acusado está recebendo uma carga que pediu.
OM PURNAMADAH PURNAMIDAM PURNAT PURNAMUDACHIATE
PURNASYA PURNAMADAYA PURNAMEVA VASHISIATE
Tudo é perfeito, mas para você ser visitado pela perfeição; pela sagrada sabedoria que ilumina a sua compreensão e traz conforto para o seu coração, se faz necessário se abrir. É o que estamos fazendo. Cada qual dando o melhor para essa aventura. Devagar nós receberemos essa graça. Eu tenho essa fé. Que cada um que está aqui possa receber essa graça. Que cada um que está aqui, possa ser iluminado pela sagrada sabedoria e possa compreender o seu próprio jogo, encontrando conforto para o seu coração. Estamos dentro do trabalho. Alguns dias são mais fáceis, mas tem dia que pesa e fica difícil, porque é difícil de aceitar, mas devagarinho vamos atravessando todos os desafios e purificando o que tem que ser purificado, para poder receber o que está destinado para você nessa temporada de 2011.
É isso meus amados amigos. Vamos continuar o desenvolvimento do guerreiro interior, aprendendo a lutar sem lutar.
Vamos continuar cantando os nomes de Deus. Se entregando para o canto devocional, a sua mente vai se aquietando e a consciência vai se aquietando, iluminando a compreensão.
Quanta dor no mundo! Mas nós temos feito muito. Eu pude observar o nosso progresso. Progredimos tanto e trouxemos tanta luz para esse planeta, que está dando pra ver quanta sujeira tinha. Mas, ainda há muita dor.
Que a sagrada sabedoria ilumine a sua compreensão.
Até o nosso próximo encontro. NAMASTE