31 de mai de 2013

Satsang com Sri Prem Baba, 19.01.11 - Índia 2010/2011


Satsang, 19.01.11 - Índia 2010/2011

Temas: Repressão, luxúria, coração puro.
Video no Youtube
PerguntaGuru ji, como nós devemos trabalhar com a energia sexual sem cair nos extremos de repressão ou luxuria?
Prem Baba: Ou seja, como caminhar no fio da navalha?
Removendo os véus que cobrem o seu coração e revelando a sua pureza.
Daí surge outra questão: “Você poderia falar um pouco sobre o significado de ter um coração puro? Todos nós temos? Como tiramos os véus dos nossos corações e brilhamos a sua luz no mundo?”
Essas duas questões estão intimamente relacionadas. Não existe distinção entre repressão e luxuria. A repressão também é uma expressão da luxuria. A luxuria é a utilização da energia sexual com o objetivo de dominação, ou seja, de ter poder sobre o outro. Se você faz isso dentro ou fora é o mesmo. Talvez a questão seja como se libertar desse desejo de fazer do outro um escravo. Como se libertar dessas camadas e capas que encobrem o seu coração e impedem que a energia sexual flua naturalmente em direção ao coração. Quando a energia sexual encontra o coração, ocorre uma experiência de êxtase muito intensa que te aponta a direção do eterno. É como dissolver-se no oceano, então você teme essa experiência tão intensa; você teme se dissolver e por isso continua sustentando as camadas que impedem que a energia chegue ao coração. Essa energia deve ser direcionada para Deus.
Você deve purificar completamente o seu sistema, principalmente o mental e emocional, o que permite que ocorra uma união perfeita com outro ser. Eu me refiro à união perfeita no mental, emocional e espiritual. E para que haja essa união é importante que os corpos sejam purificados. Quando essa união é possível, você completa uma fase da iniciação espiritual que eu chamo de “iniciação menor”. Um ciclo iniciático se completa. Então, é certo dizer que as iniciações menores são a porta para as iniciações maiores.
A realização em Deus tem um preço e esse preço é a solidão, a transcendência dos apegos aos objetos que estimulam os sentidos, mas devemos lembrar que a natureza não dá saltos. A evolução da consciência ocorre um chakra após o outro. Eu não te dou essa instrução para que você crie ansiedade a respeito do próximo passo, mas para que você tenha um mapa e possa se localizar dentro dessa jornada, para saber onde você se encontra e para onde está indo e, assim, poder se mover passo a passo, vivendo cada etapa em toda a sua profundidade, aprendendo o que tem que ser aprendido em cada uma delas. Nessa etapa onde você está buscando a união perfeita se faz necessário desenvolver uma consciência tântrica. É necessário desenvolver a consciência da espontaneidade, da liberdade e da real consciência amorosa. Esse encontro perfeito que forma um círculo, onde o dois se une e se torna o um e a energia sexual se direciona para cima e chega ao coração - o que propicia um vislumbre do samadhi - precisa ser guiado por um mestre porque é uma experiência muito profunda.
Eu posso antecipar as coisas dizendo que você pode se mover em direção ao outro estando consciente de que está buscando a sua contraparte. O masculino está buscando integrar o seu feminino. O feminino está buscando integrar o seu masculino. No momento desse encontro, se você fecha os seus olhos e se coloca presente, percebendo o que está buscando, você vai descobrir que o que busca está dentro e não fora de você. Assim você começa a se expandir dentro dessa iniciação. Essa energia começa a se direcionar para Deus. Mas, antes de chegar nisso, há um caminho a ser percorrido que é justamente o caminho da purificação dos corpos, como eu mencionei, priorizando o emocional e o mental que fazem você permanecer estagnado nas crenças, condicionamentos e nos pactos de vingança, ou seja, nas projeções. Se você continua nesse estado é muito difícil entrar na consciência tântrica porque não esta em condições de encontrar a sua contraparte dentro de você. Você não esta pronto para se libertar da guerra com o masculino ou com o feminino fora de você. Você ainda precisa de um masculino ou um feminino para humilhar, para espezinhar, machucar, abandonar, rejeitar... E também para ser humilhado, rejeitado e espezinhado. É por isso eu dou tanta atenção para esse processo de purificação, porque essa é a base. Como podemos levantar um lindo edifício se não há uma boa fundação? Eu vejo muitos construindo paredes sem alicerces: “vamos praticar tantra”, “vamos praticar o brahmacharya”. Mas, como isso é possível se o seu coração está cheio de ódio e existe desunião dentro de você? Como é possível praticar tantra ou brahmacharya se você condena o sexo oposto? É possível sim que o seu guru determine para você um período de brahmacharya, é possível que ele te prescreva um sadhana dessa maneira como um remédio para ajudar a conter o seu impulso destrutivo. Mas, isso é só uma estratégia de cura, pois em algum momento na sua jornada evolutiva, será necessário purificar o seu sistema. Você vai ter que se libertar do ódio contra o sexo oposto; vai precisar se harmonizar com a mãe e o pai dentro de você para que experiencie a união perfeita entre o masculino e o feminino que acontece tanto fora como dentro. A partir daí essa energia começa a ser direcionada para Deus; a luxúria começa a se transformar em devoção. Quando o casamento interno acontece e quando o masculino e o feminino se casam dentro, você deixa de buscar fora.
Como você tira os véus que encobrem o coração puro? O primeiro passo é identificando os véus, as capas. Se o assunto é relacionamento a dois, identifique dentro de você, o desejo de machucar o outro, o desejo de ser o dono do outro. Identifique a sua vontade de fazer do outro um escravo que satisfaz todas as suas exigências e expectativas. Identifique o seu desejo de tirar a liberdade do outro. Por outro lado, identifique a sua carência, o seu sentimento de impotência que faz você ser tão ciumento e possessivo e que faz de você tão inseguro e tantas vezes tirano e cruel; que faz com que você fique mergulhado no ciclo vicioso do sadomasoquismo. Identifique esses aspectos e continue a autoinvestigação das imagens que deram origem a esses padrões de comportamento. Identifique as crenças errôneas que existem dentro de você que sustentam essas ações. Permita-se entrar no porão dos sentimentos negados que dão sustentação para os comportamentos negativos. Tenha coragem de entrar em contato com eles. Tenha coragem de sentir esses sentimentos até que possa se libertar da dor e reconverter a energia distorcida e realmente se unir ao outro; permitindo que o feminino e o masculino se encontrem e haja mesmo uma manifestação da reciprocidade em que os dois corações estejam abertos; para que as duas correntes de aquiescência se encontrem e para que a energia sexual chegue ao coração. E quando chegar nesse ponto, você deve levar a energia para Deus, oferecendo-a como um pujae, devagarinho, você poderá alcançar a experiência da unidade dentro de si mesmo. Esse é um fenômeno que acontece naturalmente, desde que você esteja determinado no seu sadhana porque essa prática já está direcionando a sua energia para cima. A sua energia que normalmente vai para fora e para baixo, através do sadhana, começa a ir para dentro e para cima. Para isso você precisa de determinação. Se você se determina, você consegue. Por isso, independentemente da purificação que precisa ser feita, continue firme no seu sadhana porque ele vai ajudá-lo a fazer isso. Uma parte da purificação é cognitiva, ou seja, precisa passar pelo entendimento, mas tem outra parte que é simplesmente queimada. Há padrões que são simplesmente queimados pela energia kundalinica. Isso acontece naturalmente através do seu sadhana, quando você está determinado a fazer o seu mantra. A própria graça divina que é derramada em você, acorda a energia kundalinica e queima determinados padrões. Ela realiza descondicionamentos de uma forma mágica. De repente tudo está diferente e você nem sabe como. Porque você não domina isso, é algo que acontece.
Então, meus amados amigos, eu estou aqui apenas para lembrá-los que é possível manifestar o seu coração de diamante desde que esteja determinado, desde que possa renovar os seus votos a cada instante. Renovar os votos de purificação e continuar firme no seu propósito de estabelecer a conexão com o plano divino através do seu sadhana. Eu compreendo que, muitas vezes, o seu sadhana se direciona para a purificação porque você precisa colocar mais energia naquele ponto. Mas, tudo bem, as vezes é necessário mesmo. As vezes é necessário direcionar toda a sua energia para localizar o sabotador. Embora o processo de autoinvestigação seja crucial, não é suficiente. Sozinho você não vai conseguir mudar nenhum padrão. Você precisa da graça divina. Então, por um lado você se dedica a investigação, identificação e transformação dos aspectos negativos e, por outro lado, se dedica a pratica do seu mantra, da sua devoção. E, devagarinho você remove as camadas que cobrem o seu coração. Conforme você vai removendo essas capas, a união vai acontecendo e você experiência a alegria do encontro, o êxtase da união e naturalmente vai direcionando sua energia para Deus.
Pergunta: No caso de quem está trabalhando para elevar a energia, a ejaculação deve ser vista como energia que vai para baixo?
Prem Baba: Eu sinto que você deve tomar cuidado com qualquer tipo de controle. Você deve trabalhar para dissolver as camadas que impedem a sua energia de fluir. Trabalhe para.... (você disse algo como dedicar tempo para a relação sexual) Devagarinho você vai tirando tempo da sua relação sexual. Você não tem que chegar a lugar algum, naturalmente isso vai acontecendo. Em algum estágio é possível usar técnicas que ajudam a evitar a ejaculação, mas tome cuidado para não criar uma ansiedade em relação a isso. O mais importante de tudo é a espontaneidade. Não existe uma receita que sirva para todos porque cada um está num estágio. Se eu digo “faça assim” existe uma tendência de você querer fazer exatamente o que estou dizendo e acabar se formatando num modelo. Mas, não existe um modelo para todos. Isso é pessoal e intransferível. Tem pessoas tão reprimidas que não conseguem nem pensar em conter a ejaculação. E tem pessoas que são tão indulgentes que precisam achar um jeito de diminuir esse processo. Para os buscadores mais avançados e estão vivendo uma relação amorosa a minha sugestão é que eles vivam uma experiência tântrica. Um encontro uma vez por semana é suficiente e, de preferência que o fogo não esteja muito aceso justamente para evitar a perda de energia e justamente porque, nesse estágio, não deve haver a ejaculação. Aos poucos você vai encontrando o masculino ou o feminino dentro de você e não vai mais precisar da relação sexual. Você vai encontrar a experiência do êxtase somente na meditação. Existe outro estágio em que você não precisa nem meditar porque está sempre conectado com Deus, sempre feliz, sempre em comunhão com o divino. E ainda assim não é o fim da evolução.
Vocês perguntaram um dia desses sobre o meu processo. Eu não vejo degraus na minha frente. Não me vejo subindo uma escada, mas ao mesmo tempo o meu amor não para de crescer, o meu perdão não para de crescer. Eu sinto que isso é infinito. Eu sinto que a evolução é contínua. Não há um final. Você está sempre evoluindo, aprendendo mais e mais. Sempre tem uma chance para você amar mais, perdoar mais.
Aqui tem um público variado e é difícil falar sobre esse assunto porque são necessidades variadas.  Então, eu estou fazendo uma transmissão que atenda a todas as necessidades e aos diferentes estágios que cada um se encontra. Cada um está num ponto dentro dessa jornada. Cada um tem necessidades especificas.
Você começa a jornada evolutiva com uma necessidade urgente de se unir ao sexo oposto. É um desejo incontrolável, mas devido às impurezas no sistema, você não consegue completar a união que tanto deseja e a relação sempre é uma relação de amor e ódio. Você quer estar junto, mas ao mesmo tempo briga, bate, apanha... Aquela situação que todos conhecem. Você rejeita e é rejeitado. Quando o outro fala sim você fala não. Quando você resolve falar sim o outro já se fechou no inferno e está no poço do não. Nesse estágio, você está imaturo, perdido no jogo de acusações (“você é o culpado pela minha infelicidade”) até que começa a se desenvolver e a assumir responsabilidade. Você descobre que, se está incomodado, não importa a montanha de defeitos do outro, o que importa é o grão de defeito em você. Você começa a identificar o seu desejo de machucar e humilhar. E descobre que está brigando com o seu passado porque tem raiva da sua mãe e do seu pai que não te amaram exclusivamente. Então, você reedita a sua ferida infantil na escolha dos relacionamentos e percebe que está escolhendo justamente para mudar esse passado. Devagarinho você vai identificando suas mágoas e ressentimentos, vai identificando os seus jogos destrutivos e seus pactos de vingança. Devagarinho você vai se abrindo para entender a razão das coisas e porque você escolheu esse pai, essa mãe, porque você nasceu nessa família. Devagar você deixa de querer transformar o outro. Você para de forçar o outro a te amar e começa a deixá-lo livre, inclusive para não te amar. Se ele te ama ou não, tudo bem. Ai você começa a querer realmente se unir de uma forma mais inteira porque descondicionou os corpos emocional e mental. Aos poucos você começa a ter uma união completa e experiência o êxtase desse encontro e, a partir daí, começa a entrar no êxtase e pensa “porque não posso entrar nesse êxtase sozinho?”. Então, você começa a praticar mais o seu sadhana e começa a se conectar com seu guru. Ai você começa a entrar em êxtase sem o outro, mas ainda tem um apego ao outro e fica com raiva da dependência do outro. Então, você começa a querer encontrar a outra pessoa dentro de você e pede uma orientação do mestre para te guiar nos mistérios do tantra e, assim, começa a encontrar o outro dentro de você. Quando isso acontece, você completa a iniciação da nona esfera que é o sexo. Ai você está pronto para sair da matrix porque ela começa com sexo e termina com o sexo. Então, você começa a acessar os mistérios maiores. A partir daí, é sozinho. Você veio sozinho e vai embora sozinho. Mas, na verdade você não está sozinho porque não se opõe ao outro, nem foge dele. Você não se opõe ao sexo. Você está num trabalho de descondicionamento de todos os objetos que estimulam os seus sentidos. Você está tirando os seus dois pés da Terra e indo em direção aos planos celestiais. Você entra nas iniciações maiores e começa um projeto de ascensão. Você termina a sua experiência nesse plano terrestre. Então, você se dissolve na totalidade ou, se tem um voto debodhisatva, continua a serviço trabalhando aqui ou em outro planeta superior, causal ou celestial, mas continua sendo um instrutor da humanidade. Caso contrário você se dissolve no todo. É assim que funciona nesse plano. Toda essa espiral é uma aula sobre amor consciente. Tudo que eu acabei de descrever é somente uma aula sobre amor consciente. É assim que eu vejo o processo evolutivo da entidade humana nesse planeta.
Pergunta: E esse modelo de casamento da igreja católica que está gravado no inconsciente coletivo?
Isso não é uma benção, é uma maldição. Ficar junto “até que a morte os separe” é uma coisa perigosa. As vezes um casal chega para mim pedindo uma benção eu digo “fique junto até que Deus os separe”. Cada um vai ficar o tempo que tiver que ficar. Enquanto você estiver podendo se revelar para o outro e puder aprender com o outro, você continua junto, mas as vezes não dá mais para aprender, o aprendizado foi interrompido. As vezes o outro completou o aprendizado e deixou de projetar em você e você se tornou uma irmã para ele, mas você continua querendo ser amante dele... Essa relação não vai dar certo. É melhor separar. Fique junto até que Deus os separe.
Pergunta: Em relação ao que você acabou de descrever, todo o ser humano vai passar por isso?
Prem Baba: Todos passam por isso, mas devemos levar em consideração que nos estamos vivendo aqui hoje, mas a alma que habita esse corpo já esteve aqui muitas vezes e já viveu muitas experiências. E as experiências que foram integradas estão gravadas por isso que algumas entidades estão prontas para o brahmacharya, por exemplo. Isso não é repressão, é verdadeiro porque ela já viveu essa experiência em algum momento da sua jornada evolutiva. Esse é um ponto.
O segundo ponto é que a graça divina pode tudo. Ela pode fazer você saltar vários estágios. Se você tem merecimento, o mestre segura o seu karma com ele e você avança muitos estágios num toque. Por isso que, num determinado estágio de evolução espiritual, o mais importante elemento é a conexão com o mestre. O mestre é tudo. Tudo que você precisa ele te dá.
Eu falo por experiência. Falando sobre esse corpo: se esse corpo fosse seguir o ciclo natural de evolução eu ficaria aqui por algumas encarnações mais. Mas, Maharaj ji me tirou de onde eu estava e me colocou aqui. É claro que isso só acontece se o discípulo tem essa possibilidade. O mestre pode iluminar o discípulo, mas imagine uma lâmpada de 100 watts recebendo uma carga de 1000. A carga tem que ser dada aos poucos. Eu não vejo coisa mais bela no mundo do que isso. Eu sou completamente encantado com o meu guru. Eu sou uma amante incondicional. Eu vejo a maestria dele e acho maravilhoso. Com uma palavra, pronto, ele leva o karma embora. Da forma mais simples, conversando coisas triviais.
A instrução mudou no decorrer do tempo. Maharaj ji nunca me deu instruções como eu dou para vocês. Ele sempre me deu poucas instruções. Ele perguntava “o que você comeu hoje?” ou “o que você come no Brasil?”; “quais são os vegetais que tem lá?”. De repente, do nada, ele fala algo que transforma tudo. De repente ele está dormindo, roncando e abre os olhos, me chama e põe a mão na minha cabeça e diz: “Agora você vai levar a mensagem de Sachcha para o mundo inteiro”. Noutro dia estávamos falando sobre trivialidades de repente ele disse que não importa a quantidade de discípulos, o que importa é a qualidade. Os discípulos tem que estar comprometidos com o sadhana. É assim que ele trabalha. As vezes estamos falando de dinheiro e ele diz: “Consiga algum dinheiro para mim Prem Baba, porque eu tenho que fazer um Maha Yajña”. “Daqui a pouco isso tudo não é nada. Esse mundo é muito bonito, mas não se meta com ele porque ele te pega”. É assim que ele trabalha comigo. Numa palavra ele me salva. Eu faço mesmo com você, só que não pergunto o que você comeu hoje (risos), eu falo sobre tantra, sobre a purificação da personalidade... E, em determinado momento, eu te pego. Isso é só um jogo, um jogo divino. É Deus que te pega quando você se move em direção a ele. As palavras são somente um jogo. Eu quero apenas despertar o seu interesse para que você se mova até Deus.
Pergunta: Dentro da questão do casamento, é importante casar na igreja?
Prem Baba: Isso é com cada um, dependendo o contexto do karma.
Eu estou trabalhando para que você deixe de querer se casar. (risos) Eu trabalho para que você queira se casar com Deus. Eu só falo a verdade. Você tem que acabar com essa “caretisse” de casamento. Você tem que ser feliz, isso sim. O nome do curso é “como ser feliz”. Dentro do processo evolutivo você passa pela experiência da união com o outro, mas não faça disso uma jaula. Não se esqueça que o mais importante de tudo é a liberdade, é o seu caminho em direção a Deus porque onde você mais se distrai é nos relacionamentos. É onde você desenvolve mais apego e escravidão. Se você entende esse relacionamento como material de escola para poder fazer essa purificação que eu descrevi hoje em detalhes, então, ok. Mas, se está entrando numa relação para alimentar uma fantasia infantil do príncipe encantado ou da princesa encantada, você precisa saber que em algum momento vai se iludir. Se você se aproximar de mim, você vai se desiludir. Eu não quero te enganar. Eu vou tirar todas as suas ilusões. Eu quero que você olhe a vida objetivamente e a veja como ela é. Eu quero remover todas as suas fantasias e crenças. Todo o conhecimento emprestado. Eu represento o fim da sua fantasia porque a iluminação é o fim da imaginação. Ela é o fim da fantasia.
Pergunta: O que é ego?
Prem Baba: É a idéia de “eu” e “meu”?
Pergunta:Como fica a questão dos filhos? O casamento deixa de existir e os filhos ficam com a mãe. No meu caso eu assumi a total responsabilidade dos filhos porque o pai não tem condições de cuidar da criança.
Prem Baba: Entenda as minhas palavras: eu estou dizendo que é o fim do casamento criado pelo sistema. Esse casamento que tem base no medo da escassez. Existe um casamento da nova era. Eu dei um satsang inteiro falando sobre o casamento da nova era na última temporada. Esse casamento é obviamente uma união com base no coração, onde existe transparência, intimidade, ou seja, é esse encontro onde há consciência da verdade e do amor. O filho tem que nascer desse encontro de amor. É assim que vamos poder ressignificar a nossa sociedade. Mas, os filhos que não nasceram do amor, precisam ser cuidados. Cada casal é responsável pelas suas relações. Você tem que dar conta do que fez. Isso se transforma também numa escola de amor. Mesmo que o filho não tenha nascido do amor, ele é uma chance você abrir o coração e aprender a amar.
Como eu disse num dos últimos satsangs, quando falei a respeito do valor da amizade, quando você descobre que esse casamento foi baseado no medo e não no amor e existe a necessidade de uma separação, é importante resgatar a amizade. Essa amizade é importante para a educação da criança que nasceu dessa união. Quando eu falei que estou trabalhando para acabar com a fantasia do casamento, isso tem vários desdobramentos. Primeiro eu quero acabar com o casamento de mentira que é baseado no medo. Então eu vou dar força para você que precisa da experiência do encontro para viver um casamento que é baseado no amor. Mas, entenda que isso é um estágio. Não sei se nessa vida ou na próxima, mas em algum momento, você vai acabar sozinho, mesmo tendo alguém do seu lado. Maharaj ji as vezes fala diretamente assim: “Você não se casa, você fica só comigo!”. Eu sou mais sutil. (risos)
Que pouco a pouco o masculino e o feminino possam se encontrar dentro de você.
Até o nosso próximo encontro.
NAMASTE