Mensagem do Guru Sri Sachcha Prem Baba

Uma breve explicação mais aproximada que se pode chegar do real sentido e importância da presença do Guru em nossas Jornadas. Buscando sua raíz e origem do Guru!



Queridos amigos, leiam o satsang oferecido por Sri Prem Baba durante o Dia do Guru, no Sachcha Mission Ashram (01 de Julho). 







Gurupurnima 2012

  As lágrimas que caem dos meus olhos são de amor e gratidão ao meu Guru, Sri Sachcha Baba Maharaji, que me ensinou a reconhecer o que é o Guru. Ele abriu os meus olhos, iluminou o meu entendimento.
   Existe uma lenda védica que diz que paramatma, o Deus Supremo, criou mahamaya (tudo aquilo que nossos sentidos conseguem perceber) através de Brahma, o aspecto criador da Divindade. Mas, ela era tão fascinante que o próprio Brahma se encantou com ela. Foi quando paramatma resolveu criar o Guru para que ele possibilitasse o desencantamento de Brahma.
O gurustotra é um poder que dificilmente podemos traduzir em palavras, mas é um poder que possibilita a libertação das teias da ilusão; é um poder que possibilita o retorno para a morada sagrada; é como uma porta para os reinos celestiais - é o caminho e é a porta. Por mais que eu tente, não conseguiria descrever com palavras esse poder, essa manifestação de paramatma, que dissolve a escuridão da ignorância e ilumina nossa jornada junto à Morada Sagrada.
   Para um buscador da verdade, para aquele que esta no caminho da autorrealização, sem dúvida, hoje é o dia mais importante do ano. Só se compara ao dia do aparecimento do Guru na Terra, porque o gurustrotra, este poder de ascensão, por misericórdia e compaixão, se manifesta num corpo. Então, para um buscador, este é o dia mais importante, pois ele celebra a chance do despertar, a chance da cura espiritual e a chance de se libertar do ciclo de morte e nascimento, e do véu do esquecimento e da ignorância.
   Este é o primeiro gurupurnima após a passagem do meu Guru. Ele deixou o corpo no dia 23 de outubro do ano passado, e agora está trabalhando nos planos sutis de uma forma ainda mais intensa.
   O Guru se manifesta através de matrizes corpóreas para facilitar o acesso a Ele. Porque é muito difícil para aquele que esta sob o encantamento de mahamaya, conseguir perceber Deus imanifesto. O caminho se torna árduo, se torna desértico, por isso dizemos que o Guru é a encarnação da compaixão. É só por compaixão que Ele desce para este plano, na forma de um corpo físico, para poder te dar o exemplo, para poder te mostrar que é possível, para iluminar a sua fé, a sua verdadeira esperança. Muitas vezes, para poder pegar na sua mão e atravessar junto com você, o vale da sombra da morte. Até que você possa estar junto com Ele, vibrando no mesmo amor, na mesma consciência; até que você e Deus seja uma coisa só e não haja mais diferença, não haja mais distância; até que você esteja completamente livre deste encantamento gerado pela matéria; até que você possa ter apreendido o grande segredo que é estar aqui na matéria, usufruindo esta oportunidade da vida, mas ao mesmo tempo livre e liberto. Este é o estado de jivanmukta, o liberado vivo; é a mais profunda meta da alma. É poder estar aqui e estar livre. É você estar no mundo e ao mesmo tempo não estar apegado a ele. É aí que está o segredo da alegria sem causa, o segredo da Paz profunda e perene. Somente o Guru pode te dar isso - não há outro poder que possa fazer isso.
   O mundo ocidental teme essa palavra (Guru), por conta do seu mau uso. É verdade que o mal facilmente se apropria também daquilo que é legítimo. Facilmente o conhecimento verdadeiro é apropriado pelo ego e distorcido, criando temor e reticência a respeito do significado do Guru. Um Guru verdadeiro é uma manifestação de Paramatma, uma manifestação do Supremo que possibilita a liberação. Pouco a pouco, a Luz de Sachcha vai iluminando esse entendimento.
   Uma criança sabe mais facilmente porque a mente ainda não esta condicionada com as crenças não esta condicionada com o conhecimento emprestado das religiões (criancinha corre em direção ao Prem Baba chamando seu nome). Isso é um exemplo do trabalho de Sachcha. A Luz de Sachcha está iluminando o entendimento das pessoas em todos os lugares, inclusive aqui no Ocidente, fazendo com que você se liberte do medo – do medo de se entregar para a vida espiritual; do medo em todas as suas manifestações, e consequentemente poder se mover em direção à verdade de Deus, no seu aspecto mais profundo que é o seu Eu maior.
   Nesse dia em que estamos celebrando o aparecimento do Guru, nós vamos fazer uma pequena cerimônia. Na verdade, o dia do Guru é na terça-feira (03 de Julho), no auge da Lua Cheia, mas escolhemos a data de hoje (domingo), que também está vibrando na lua cheia do Guru, para que a maioria pudesse ter a Graça de estar aqui, recebendo mais esse darshan. Então, vamos fazer essa cerimônia védica em honra ao Guru. Vamos banhar as sandálias do meu Guruji, com alguns elementos sagrados; vamos fazer um abisheka (banho da divindade), um puja (oferenda) e um arati, que é uma palavra em sânscrito para um ritual de iluminação das sagradas sandálias do Guru. Então, as sandálias do Maharaji, representam a sandália de todos os Gurus, do gurustotra, que é esse poder que possibilita a ascensão.
   É dito que o Guru, quando esta no corpo, está tão cheio da divindade que chega a estar pesado. A palavra Guru também significa “pesado” - pesado da energia divina, que está tão intensa que desce através dos pés dEle para poder abençoar a Terra. Por isso os pés são as partes do corpo mais reverenciadas, mais importantes. Se você realmente tiver fé e entrega ao tocar nas sandálias ou nos pés do Guru, você pode se libertar neste momento.
   Maharaji pisou nessas sandálias e deu de presente para este Ashram no Mahashivaratri de 2002 e, a partir disso, tudo aconteceu, todo esse trabalho se multiplicou. Esse é o trabalho dEle; essa é a Luz dEle. Sachcha iluminou Prem, que é o amor divino. Prem é o nome da essência, da mônada que ocupa esse corpo. O corpo é um veículo, é como um carro que usamos para ir aqui e ali e que devemos cuidar e zelar. Ele nos foi emprestado. A terra empresta o corpo. Quando vai para uma cidade estranha, você aluga um carro para passear. Aqui, a locadora é a Terra. Mahamaya te empresta o corpo e, quando você vai embora, tem que devolver. Você precisa cuidar dele direito, se não, paga multa (karma) pelo mau uso. No final, tem a vistoria para saber se você fez um bom uso do seu veículo (risos).
   Todo o poder de maya está em fazer você acreditar que é o corpo. Esse é o seu grande poder. Maya também é uma manifestação divina; é um aspecto de Durga.
   Ir além da ilusão, significa lembrar que você não é o corpo, somente está nele. Quem está nele? Quem é você? Quem habita esse corpo? Toda a experiência humana se resume nisso. Espiritualidade é o caminho que te leva a se lembrar de quem é você, quem é o habitante do corpo? Esse é o trabalho do gurustotra: iluminar a lembrança de quem habita o corpo.
   Eu sou Prem, e você? Prem é eterno. Tocamos nas sandálias e nos pés do Guru para Iluminar a lembrança. Esse é o objetivo do darshan, o olhar do Mestre; da energia que está sendo transmitida através do Seu olhar.
   Mas, às vezes, antes de iluminar essa lembrança, ocorre uma revolução na sua vida, devido ao apego a sua falsa identidade. Quanto mais apegado você está ao seu corpo, ao seu nome e a sua história, mais desafiador é o caminho. A luz que você recebe é para poder soltar o apego a essa ideia de quem é você. O sofrimento é proporcional ao apego a ideia de “eu”. Quando você recebe um chamado para trilhar um caminho espiritual é porque a sua alma está querendo se manifestar; o seu Ser está querendo se revelar. Você se aproxima, recebe o darshan; recebe a luz e a energia; e essa energia começa a cortar os nós dos apegos. Falar é fácil, entender é fácil - difícil é viver isso. Mas, se você já consegue entender, fica mais fácil de aceitar os desafios porque você compreende que faz parte do seu processo de cura; do seu processo de libertação.
   Você está sofrendo porque tem apego; porque tem um obstinado dentro de você que não quer abrir mão desse apego. Você quer defender a sua falsa identidade; você esta se protegendo de alguma maneira.  Mas, é preciso também acolher esses mecanismos de defesa, pois é com calma e tranquilidade que o caminho vai sendo iluminado. Com calma e tranquilidade.
   Quando você consegue identificar essas subidas e descidas sem se identificar, eu sinto que você está progredindo.
 
   Que todos os seres sejam felizes. Até o nosso próximo encontro.
   NAMASTE


Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário